INFORMATIVOS

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

RONDON PE sintoniza na moda e ensina técnicas Tie-dye em Frei Miguelinho

 


A moda do Tie-dye voltou com tudo e o assunto foi pauta dos cursos do Ação CVT-Projeto Rondon Pernambuco em Frei Miguelinho. A estampa Tie-dye (pronuncia-se tai-dai) é uma técnica de tingimento que se baseia no “amarrar e tingir”. O processo de origem artesanal é bastante antigo e surgiu no Oriente, na década de 70 ganhou força com o movimento hippie.
Hoje, grifes renomadas como Victoria´s Secret estão apostando num look mais divertido e incluindo na sua coleção de maiôs e biquínis casuais para o verão 2011/12 as estampas tie-dye. Embora a estampa tenha tudo a ver com o verão brasileiro e com o nosso clima, diversos estilistas tentam resgatá-lo também no inverno, isso porque as peças são atemporais e se adaptam a qualquer estação, combinando tanto pra as mulheres quanto para os homens.
As peças podem ser feitas de diversas formas, amarrando o tecido antes de costurar, ou amarrando a roupa depois de pronta, e tingindo com diversas cores. Ana Carla Campos, rondonista que ministrou o curso do Tie-dye na comunidade de Capivara, em Frei Miguelinho, afirma que “cada peça é única, pois o trabalho é manual e criativo.”

Confira a lista de material e produza as suas peças.

·        camisa branca ( pode ser usada ou pode  comprar por R$ 5,00)
·        corante em pó para tingimento em tecido de algodão (R$ 1,50)
·        fixador( compra em armarinho R$ 1,50 ou pode ser substituído por vinagre)
·        barbante
·        baldes
·        água

1º Fazer amarrações na camisa, pode ser no centro ou nas extremidades vai depender da criatividade de cada um.

2º Coloca água para ferver e adiciona o corante. Importante: cada cor deve ser feita em uma panela diferente. Em seguida adiciona-se uma colher cheia de sal, que serve para que a tinta fixe mais rápido no tecido.

3º Mergulhar a camisa com as amarrações na água com a tinta e deixar por 10 minutos. Logo em seguida colocar a peça dentro de um balde com água fria, repetir três vezes esse procedimento água quente tingida e a água fria. Por fim coloca-se no balde com água, o fixador (ou substitui pelo vinagre) e a peça e deixa por 15 minutos. 

4º A última etapa é retirar os barbantes e deixa secar.

O custo é de R$ 8,00 e o valor pode diminuir se você já possuir uma camisa usada. Essa é uma forma de customizar e renovar o guarda roupa, ou ainda vender peças novas por R$15,00 ou mais, dependendo do público alvo e do local que a pessoa vai comercializar.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

RONDON PE ensina a reaproveitar garrafas de plástico e transformá-las em móveis

A equipe do projeto RONDON/PE de Frei Miguelinho dá uma boa dica pra você que adora ajudar a natureza inventando objetos criativos e úteis!  Na sala, no quarto ou até no escritório, o puff de garrafas pet serve como objeto decorativo e  utilitário. A melhor parte é que além desde artigo de decoração ser ecológico, ele é resistente e você pode assentar sem maiores problemas.

Sendo assim, os Rondonistas levaram à comunidade de Capivara na cidade de Frei Miguelinho, a Oficina de Puff de garrafa Pet com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da reciclagem para o planeta, enfatizando o período de degradabilidade desse material para o meio ambiente, por meio de uma oportunidade de geração de renda.

Confira os materiais necessários:

18 garrafas pet (do mesmo modelo)
1 caixa de papelão
3 fitas adesivas largas R$: 1,30 (unid)
Cola quente (Pistola R$: 6,00 e Bastão R$: 0,90) 
1 metro de tecido p/ o acabamento (R$: 3,50)
60 cm de espuma p/acabamento R$: 11.40 (ou pode substituir por colchão velho)
Linha e agulha

Passo-a-passo:

O processo de confecção é bem simples e não demora mais do que uma hora. As garrafas, depois de lavadas são cortadas e encaixadas umas nas outras, formando uma peça resistente, unidas com fita adesiva larga. (Observe a figura abaixo).



Depois de fazer a base de pet, coloca-se o papelão grosso sobre a base e uma espuma com 5 cm de espessura sobre o papelão. Pronto! Agora basta forrar com o tecido ou curvin, nunca esquecendo que de costurar tudo do lado avesso para que não sejam colocados a mostra remendos e imperfeições.


O valor gasto é de aproximadamente R$ 19,70 e o puff pode ser vendido por R$ 35,00 ou mais, isso vai depender do acabamento final. O lucro aumenta ainda mais na próxima vez que você produzir um novo puff, pois não será mais necessário comprar a pistola de cola, que custa R$: 6,00.

Mãos à obra!




Assista ao vídeo sobre a fabricação do leite de cabra no CEDOCA/Sertânia

video

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

BENEFICIAMENTO DO TOMATE É TEMA DE CURSO EM CAMOCIM DE SÃO FÉLIX

Camocim de São Félix enfrenta problemas com a safra de tomates que iniciou em novembro de 2010 e se estenderá até abril deste ano. Os agricultores da cidade do agreste pernambucano sofrem ao ver a produção apodrecer na lavoura e estão desistindo, inclusive, de fazer a colheita.  O problema surgiu quando outros estados do nordeste passaram a vender o fruto a um preço muito abaixo do praticado no mercado, provocando supersafra. Comparando os valores, observamos a desvalorização do produto. Enquanto na última safra a caixa de tomate era vendida por cerca de R$ 25,00, este ano ela está saindo por R$ 7,00.

O diagnóstico preliminar realizado neste município, no segundo semestre de 2010, pela equipe do Rondon PE, já apontava a necessidade de uma produção alternativa de reaproveitamento do fruto. Por isso, um curso de Beneficiamento do Tomate foi elaborado para ser executado na segunda fase da ação.

 O curso ministrado pela equipe do projeto RONDON PE aborda o valor nutricional, a conservação, o processamento, a higiene e manipulação de alimentos e a higiene pessoal, elementos fundamentais na preparação das receitas ensinadas. A cozinha cede espaço para a criatividade e nela os alunos aprendem a produzir o tomate seco, o catchup, o suco, o doce e o extrato de tomate.

O beneficiamento do tomate, no contexto atual do município de Camocim de São Félix, surge como opção de reutilização do fruto, incentivando a geração de trabalho e renda, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do local.